Psicologia x Odontologia: Qual é a relação entre essas duas especialidades clínicas

Mesmo que pareçam áreas distintas, a psicologia e a odontologia possuem relação e, juntas, podem controlar e modificar o comportamento dos indivíduos inseridos no cenário de tratamento odontológico.

Imagem 1 do artigo Psicologia x Odontologia: Qual é a relação entre essas duas especialidades clínicas

Programas de intervenção podem ser aplicados em todas as áreas da odontologia, desde a clínica geral até a especialidade, incluindo ortodontia, periodontia e endodontia.

Assim, pacientes que possuem fobia de dentista, por exemplo, ao agendar uma avaliação ou procedimento em um consultório pelo plano odontologico para mei (ou particular), caso o profissional saiba dessa relação com a psicologia, é possível oferecer um melhor tratamento. 

Por que é importante que um dentista entenda sobre psicologia?

O principal objetivo da aplicação da psicologia na odontologia é intervir nas variáveis ​​psicossociais que influenciam o processo de diagnóstico, tratamento e reabilitação odontológica, com o objetivo de promover e manter o estado geral de saúde do indivíduo.

Bem como prevenir e promover o enfrentamento efetivo da doença. Tratamento de doenças bucais por meio de um plano dental empresarial, pessoa física ou particular.

Comunidade da Fepo

As variáveis ​​psicossociais são todos os fatores psicológicos que um indivíduo possui ou adquire por imitação, ou experiência, tais como:

  • Sentir;
  • Crer;
  • Ter ideias;
  • Pensar.

Essas variáveis ​​ocorrem principalmente em situações estressantes. Quanto mais vulnerável um indivíduo se sente em determinada situação (como agendar uma consulta pelo plano dental para empresa e ir ao dentista extrair um dente), mais fortes tendem a exibir as variáveis ​​psicossociais,

As crianças expostas a certas circunstâncias que envolvem a odontologia podem apresentar comportamentos, como a fuga (incluindo sair do local o mais rápido possível, fugir ou sair).

Outro sintoma comum do medo do dentista é evitar comportamentos que obedecem a condições ou condições específicas (chamados comportamentos de evitação, como recusar-se a sentar em uma cadeira ou recusar-se a abrir a boca para um exame clínico).

Terapia online para sua saúde e bem-estar

A imobilização cinética (incluindo permanecer inerte, agarrar-se às pernas dos familiares e ficar paralisado diante das situações percebidas) também é um comportamento bastante comum.

Contudo, pode-se dizer, que o enfrentamento da situação (inclusive por meio de estratégias comportamentais e/ou cognitivas, por meio dos elementos identificados como aversivos para lidar com a situação enfrentada) também é observado entre os comportamentos infantis mediante à presença de um dentista.

E, vale dizer que, esses comportamentos podem ser repetidos, inclusive, na vida adulta, como no caso da odontofobia. Aqui, podemos levantar a hipótese de que pode ter sido um medo aprendido com suas primeiras experiências infantis, seja por ameaças dos responsáveis ou por um mau tratamento odontológico.

Como a psicologia pode ajudar a odontologia?

A modelagem, o processo de uma criança assistir a um vídeo (ou apresentação de slides, ou mesmo uma cena ao vivo) de outra criança passando por um procedimento odontológico semelhante ao que será feito nela.

Chat de Apoio Emocional

Observar outra pessoa exposta a uma situação ameaçadora e exibir comportamento suficiente pode encorajar o cliente a sucumbir à mesma situação. Nesse caso, a atenção da criança se desloca para o comportamento colaborativo e não para o procedimento odontológico a ser realizado.

Um procedimento de relaxamento muscular realizado momentos antes da cirurgia odontológica pode ser utilizado para reduzir gradativamente os músculos da face (seja da criança ou do adulto), bem como um melhor autocontrole respiratório, reduzindo assim a agitação motora durante o tratamento.

O relaxamento muscular pode ser combinado com um programa de visualização cognitiva, no qual o paciente é convidado a criar estímulos psicológicos (imagens) opostos aos que geram ansiedade e medo.

Um programa muito útil para alguns clientes que gostam de ter total controle sobre as situações que irão enfrentar é uma combinação de estratégias de apresentação, nomeação, descrição e apresentação (identificadas como estratégias de gestão para contar, mostrar e fazer).

Neste caso, o dentista (podendo atender a convenio odontologico empresarial ou não) irá mostrar os principais instrumentos que serão utilizados no tratamento, nomeá-los, descrevê-los e mostrar ao paciente para que servem.

A apresentação dessas ferramentas visa reduzir a ansiedade das crianças diante de situações desconhecidas e evitar a criação de crenças temerosas e disfuncionais. A cada etapa do tratamento, a criança pode receber explicações detalhadas sobre sua execução, desde que comece com uma.

Programa de Atendimento Social

A distração é um dos procedimentos mais citados na literatura que pode ser eficaz se a estimulação proporcionada ao paciente for suficientemente atrativa e incompatível com a tensão psicológica criada pelo consultório e tratamento odontológico.

Por exemplo, uma pessoa que possui um plano odonto pme tem medo de dentista por causa de um certo barulho de instrumentos odontológicos. Para amenizar, é possível ouvir música em fones de ouvido durante toda a consulta.

O objetivo geral da distração é desviar a atenção da criança dos estímulos aversivos, suscetíveis ao prazer e a elementos mais reforçadores.

Portanto, podemos dizer que, ao unir a psicologia com a odontologia, é possível oferecer atendimentos muito mais humanizados e de qualidade.

Assim, pode-se dizer que, dentistas que possuem este conhecimento psicológico, conseguem oferecer maior conforto e segurança, principalmente para os pacientes que sentem medo ao entrar em um consultório de odontologia.

Conteúdo desenvolvido pela equipe do Conviva Melhor, blog criado com o intuito de melhorar a saúde e o bem-estar por meio de conteúdos que reforçam a importância dos cuidados regulares.

Felipe Laccelva

Felipe Laccelva

Psicólogo formado há mais de dez anos, fundador e CEO da Fepo. Fascinado pela Abordagem Centrada na Pessoa, que tem a empatia como eixo central para transformar o ser humano. Sempre buscou levar a psicologia para mais pessoas e dessa forma criar um mundo mais saudável e acolhedor.

Agendar consulta